O melhor investimento da década

Aproveitamos a virada do ano, para fazer um balanço das principais classes de investimento,
e verificar em janelas anuais qual o retorno de cada modalidade dentro da última década.

Quando falamos de investimentos, é comum fazer uma análise retrospectiva e avaliar o desempenho. Fazer isso de forma simples, fácil, integrada com vários investimentos e de forma rápida, é inclusive uma das motivações que faz a Turing existir. Aproveitamos a virada do ano para fazer um balanço das principais classes de investimento, e verificar em janelas anuais qual o retorno de cada modalidade dentro da última década.

A tabela abaixo nos permite enxergar como as classes de investimento oscilam entre si de performance.

Legenda: IBOV = Ações / IFIX = Fundos Imobiliários / IMA-B = Título Público de Inflação / IPCA = Inflação / CDI = Taxa de Juros

É interessante notar como os retornos das classes oscilam ano a ano, principalmente quando fazemos a referência com os acontecimentos.

Durante os últimos anos do governo Dilma, entre 2013 e 2015, as classes de risco foram muito mal, como as Ações (IBOV) e Fundos Imobiliários (IFIX) na lanterna por 3 anos seguidos, e após o Impeachment em 2016 o valor dos ativos que estavam muito depreciados se recuperaram, e o Dólar que havia disparado anos antes, em 2016 e 2017 ficou para trás.

Recentemente, a pandemia fez com que o Dólar em 2020 voltasse a ser o grande destaque positivo, e os ativos ligados a econômica real novamente não fossem tão bem, principalmente o IFIX, uma vez que os fundos imobiliários de lajes corporativas e shoppings foram bastante penalizados.

Entretanto, existe um movimento silencioso no meio da tabela que é bastante interessante de se analisar, que é a relação entre CDI, IPCA e o IMA-B.

Na primeira metade da tabela podemos ver em média um IPCA mais alto, e em 2015 subir a dois dígitos para 10,7% no último ano Dilma – sendo este inclusive, um dos fatores determinantes pela queda de sua popularidade, múltiplos protestos, e por consequência a saída do governo – e a partir de 2016 pudemos perceber uma queda constante da Inflação, o que permitiu ao mesmo tempo o COPOM cortar a de juros (CDI) para o menor patamar da história.

E aqui é possível notar a grande informação aparentemente oculta da tabela. Esse cenário de queda de juros e inflação, beneficiou de maneira bastante direta o IMA-B.

O IMA-B é um índice da ANBIMA que mede um média dos retornos dos títulos públicos IPCA+, pois esses títulos remuneram cupom fixo + a inflação nesse período.

A título de exemplo, o Tesouro IPCA+ 2024, em Jan de 2011 remunerava IPCA+ 6% ao ano, e dez ano depois, a oferta IPCA+ 2% ao ano.

O movimento é similar para os outros vencimentos, 2026, 2030, 2035 e por ai vai. Como o Tesouro Nacional antecipa aos investidores essa diferença de retorno para os anos ainda por vir, no formato de precificação dos títulos chamada de marcação a mercado, isso gerou um retornou excepcional para essa classe de títulos de renda fixa.

Por isso, a classe que nunca “ganhou” nenhum ano, mas que sempre teve uma posição boa na tabela, é a que no agregado melhor performou. O melhor investimento da Década é portanto o IMA-B.

Acesse nosso simulador para melhor visualizar a rentabilidade acumulada.

Importante: a ANBIMA não divulga de forma aberta a variação diária dos seus índices o que não nos permite a disponibilizar a informação completa no nosso simulador. Por isso, no link substituímos o IMAB pelo Western Asset Ativo IMAB que possui 99% de correlação positiva com o IMA-B.

Bons Investimentos!